segunda-feira, 23 de janeiro de 2012

De Breguinha a Phoenix, confira toda a história dos 737-200 na VARIG

Tudo se inicia em 21 de Outubro de 1974 quando a pioneira ganha o primeiro 737-200 PP-VME Super Advanced (como era chamado na Gloriosa Pioneira). Com a aquisição dessa aeronave pelas empresas aéreas brasileiras um grande salto tecnologico se deu passando dos Electras II e Avro HS 748 para o 737. Na Cruzeiro a mudança se deu do Caravelle para o 737. Em Junho de 1975, toda a encomenda de dez aeronaves feita pela VARIG ja estava em uso em solo nacional. Inicialmente todas as 10 aeronaves iriam para a Ponte Aérea enquanto os Electras e os Avros voariam nas outras rotas, mas mudanças de planos levaram o 737 a voar para Assunção, Rio de Janeiro, São Paulo, Curitiba, Brasília, Florianópolis, Belém, Santarém, Manaus, Vitória, Belo Horizonte, Salvador e até mesmo para Imperatriz. Enquanto isso os Electras foram empregados somente para a Ponte Aérea São Paulo-Rio e os Avros foram finalmente aposentados. Os 737-200 eram tão queridos pela VARIG e pelo Público, por serem o melhor que a VARIG tinha a oferecer em rotas nacionais, que a Pioneira decide chama-los apenas de Super Advanced e promover   comerciais estrelando o Jato Super Advanced 737-200 da VARIG.
Em 1982 a VARIG assinou um contrato de leasing e adquiriu mais duas aeronaves. Foram elas a PP-VNF e PP-VNG (parece a abreviatura de Varig Next Generation haha). Curiosidade: Em 1987 a emissora de televisão Rede Globo exibiu a novela Brega & Chique. Nessa mesma época ja se comentava a vinda dos modernos 737-300 ao Brasil. Pelas inumeras melhorias, entre elas a utilização de apenas 2 tripulantes na cabine ao invez de 3 do seu antecessor, o 737-300 foi apelidado de Chique, o apelido nunca pegou, mas o apelido que lançaram sobre os 737-200 é conhecido até hoje, Brega.
Em 1989 um tragico acidente envolvendo o PP-VMK deixou a reputação do Breguinha em decadencia. (Acompanhe a postagem do acidente por aqui).
Em 1993 finalmente foi autorizada a compra da Cruzeiro pela Varig. Com isso 6 encomendas da Cruzeiro foram transferidas para a VARIG. Embora estarem voando na VARIG os 6 737-200 permaneciam com o prefixo de início em C de Cruzeiro. Uma dessa aeronaves era o PP-CJO que protagonizou uma colisão fatal após o pouso em Carajás, Pará. A pista estava escorregadia e o Breguinha acabou saindo da mesma após o pouso, invadiu a mata e colidiu com um barranco de terra, o Primeiro Oficial foi o único óbito registrado naquela fatídica tarde.
Em 1996 a VARIG decide renovar sua indentidade visual e aos poucos se livrar de todos os seus 737-200 ( o que não aconteceu naquele ano "96"). Na verdade ela fez uma operação conhecida como sale and leaseback... Ou seja vender a aeronave para uma companhia de leasing e no mesmo dia ja assinar contrato de leasing com aquela empresa. A empresa e leasing no caso era a PLM Leasing. Dessa forma, a aeronave continua voando na VARIG mas os custos mensais diminuem e fica mais fácil controlar as contas mensais da companhia. No ano seguinte a VARIG operou o maior número de 737-200 da história com 17 aeronaves operando simultaneamente com mais dois que chegariam naquele ano, os PP-VPD e PP-VPE foram arrendados à Pluna, companhia uruguaia da qual a VARIG era dona majoritária das ações e portanto a controladora. Mas a situaçao financeira da empresa já estava péssima devido à sua direção e seus erros no passado e no presente, portanto as duas aeronaves acima sitadas foram transferidas à VARIG para dar uma força a mais para a Pioneira.
A partir de 1998 os novos 737-700 e -800 chegavam à frota da Estrela Brasileira e os breguinhas começavam a ficar ultrapassados e então a decisão era obvia: aposentar os -200. Muitos estão encostados em aeroportos até hoje e outros foram arrendados e até vendidos para empresas como a Rico, Taf e Nacional. Todas falidas.
Enfrentando sérios problemas em 2001 a VARIG não tinha mais condições de se manter no ar sem se endividar, então a diretoria e a FRB decidiram reativar alguns 737-200. Foram eles: PP-CJT, PP-VME, PP-VMF, PP-VMH e PP-VMN .Em 2003 o governo propôs o compartilhamento de voos com a TAM como uma tentativa de salvar a empresa da rosa-dos-ventos dourada, deste modo os clientes da TAM poderiam voar em algumas rotas da na VARIG e vice versa. Os clientes da VARIG, que voaram nos recem-chegados A320 da TAM gostaram da experiência e muitos trocaram a Pioneira pela "regional metida a grande". Mas o contrário também aconteceu e os acostumados ao Airbus novinho, experimentaram um pouco dos Breguinhas, manchando a imagem da pioneira. Os 737-200 phoenix que foram reativados passaram então ao abandono total. Hoje é possível ver vários exemplares sucateados ou abandonas em diversos aeroportos do país.

2 comentários:

  1. Trabalhei na rico com os PR-RLA (pp-vmn), PP-VMM e PP-VME, e cheguei a voar nos tres, me confesso privilegiado por trabalhar com um pedaço da historia da aviação do Brasil!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Nossa Adriane!!! Que orgulho mesmo! Eu também ficaria muito orgulhoso! Se tiver algumas fotos ou historias para contar pode entrar em contato que terei a felicidade de fazer uma postagem aqui no Blog Rodrigo Varig! Grande Abraço!

      Excluir