domingo, 22 de maio de 2011

Ponte Aérea - Um tempo que não volta mais!

          Eu estava passando as paginas do meu “VARIG – Eterna Pioneira” quando eu passei pela pagina 83. Curiosamente um numero bem perto da atual idade da VARIG.A pagina 83 fala sobre a criação da Ponte-Aérea,quando eu passei por aquela pagina me dei conta de que eu ainda não tinha escrito no blog que tinha sido a VARIG que inventou a ponte-aérea.Na hora eu reli aquelas maravilhosas paginas para poder escrever essa postagem.
          Como sabemos a Real sempre foi uma grande empresa,uma gigante do setor aéreo nacional e o primeiro vôo dessa gigante foi justamente entre Rio e São Paulo exatamente entre Congonhas e Santos Dumont.A empresa cresceu e se tornou a gigante que um dia foi.Assim Ruben Berta e o Brigadeiro Faria Lima(presidente da VASP na época) precisavam de uma idéia para competir com a Real e diretamente com um dos maiores rivais de Berta, Lineu Gomes,presidente da Real naquela época.
          Acontece que em 1959 o nosso país girava em torno de Rio de Janeiro e São Paulo, não muito diferente da atualidade. Com os feitos do presidente JK, Rio de Janeiro e principalmente São Paulo cresceram muito.E eram as cidades  mais importantes do nosso país.Os kilometros que tinham entre as cidades precisavam ser vencidos para unir as capitais.Mas acontece que nessa época o clima na nossa aviação estava muito ruim,varias empresas estavam atoladas em dividas.Entre elas estava a Real que embora estivesse passando por dificuldades Lineu Gomes que sempre foi muito pratico fazia de tudo para conseguir mercado competindo é claro com a VARIG e com a Vasp.
          Ainda em 1959 em São Paulo, em um simpático fim de tarde estavam 3 gerentes de 3 empresas distintas, eles estavam em congonhas tomando um “uisquinho” com as gravatas afrouxadas e palitos desabotoados.Eram eles Juarez Xavier de Azevedo, da Cruzeiro do Sul; Antônio Deléo, da VASP; e Carlos Ivan Siqueira, da VARIG.Eles estavam preocupados com a Real,ela tinha aeronaves muito modernas e Lineu Gomes estava determinado a conquistar os céus do Brasil.Depois de muita conversa surge uma genial idéia: >Por que as empresas não se juntam contra um inimigo em comum? Afinal as três juntas tinham muito mais freqüências entre São Paulo e Rio do que a Real. Às vezes aeronaves da Vasp, Cruzeiro e da VARIG decolavam juntas de São Paulo para o Rio, ambas com uma taxa de ocupação muito baixa. E depois era preciso esperar horas até que uma outra aeronave partisse rumo ao Rio de Janeiro.Não seria muito mais fácil se os vôos fossem organizados de uma forma que o passageiro pudesse entrar no primeiro avião disponível? Seja ela uma aeronave da VARIG, Vasp ou Cruzeiro?Nascia ali a o nome: Ponte-Aérea. Ainda discretamente Siqueira,Azevedo e Deléo convidavam os passageiros a trocar de empresa e entrar no próximo vôo,a noite eles trocavam os bilhetes voados e juntavam a receita em caixa, de acordo com o numero de passageiros transportados.fazendo o encontro entre o que havia sido voado e o efetivamente pago.
          De repente as aeronaves começaram a sair cheias, lotadas. Até que certa vez Berta estava fazendo uma escala em congonhas vindo de um vôo da VARIG de Porto Alegre quando foi convidado a embarcar em um Convair da Cruzeiro.Berta com seu olhar visionário abraçou a idéia e convocou um encontro com o presidente da Cruzeiro, José Roberto Ribeiro Dantas e o presidente da Vasp.Mas a estratégia tinha de ter um nome forte,um nome que tivesse marketing.O próprio Berta sugeriu Ponte-Aérea.As 3 empresas entraram com um pedido formal ao DAC,em dias o projeto foi aceito.Em uma madrugada de julho foram erguidos os balcões da Ponte-Aérea em congonhas e santos Dumont.A cada 60 minutos decolavam vôos alternados das 3 empresas.A VARIG usava o Convair 240; A Cruzeiro empregava o Convair 340; e a Vasp voava com o SAAB Scandia.
          Lineu Gomes não gostou de perder território, a Real já operava mais de 15 vôos diários entre as capitais e lançou então a “Super Ponte Real” com vôos a cada 60 minutos. Aproveitando o evento de inauguração anunciou que se a Ponte-Aérea colocasse vôos a cada 30 minutos ele colocaria a cada 15 minutos.Foi formada então uma certa guerra de Ponte-Aérea.A “Super Ponte Real” durou apenas alguns meses e a “Ponte-Aérea Rio-São Paulo” voa in ininterruptamente até hoje.
Em 1999 a Vasp não queria mais fazer parte da Ponte-Aérea  e a VARIG não fazia questão de participar desse pool  a Transbrasil que também já estava na Ponte-Aérea naquela época não tinha opinião e assistia a esperava a decisão das gigantes.Assim sendo a VARIG tomou frente a situação e anunciou o desligamento da ponte-aérea,criando logo depois a Ponte VARIG-Rio Sul que funcionava da mesma forma que a ponte-aérea só que com os modernos 737-500 e 737-300 da Rio Sul que competiam com os A319 da Tam.Em 2002 a Rio-Sul introduziu os ERJ-145 na mesma época em que a Gol era autorizada a fazer Rio-São Paulo com os 737-700.
         O esquema original da ponte-aérea foi extinto.Os vôos das companhias ainda são muito numerosos na rota,mas os bilhetes não mais podem ser trocados pelas companhias,podem ser endossados,mas não aceitos.
Essa foi mais uma das historias de guerra entre Berta e Lineu,assim como foi a “Guerra das letras” que pretendo trazer a vocês em breve.

Os videos abaixo são antigas propagandas da Ponte-Aérea resgatadas inéditamente do Programa Intervalo  mostrando mais uma vez o Pioneirismo do Blog Rodrigo Varig.




Informação Histórica: “VARIG – Eterna Pioneira” e “Rodrigo Varig”
Fotos: “VARIG – Eterna Pioneira”
Vídeos: “Rodrigo Varig”

Nenhum comentário:

Postar um comentário